MÃE, ME OUVES

( Jovina Benigno) Mamã, quero te dizer palavras inauditas. presentes. alqueires tua  presença nas noites em que vago sem ti. te amo, mãe! eu  te dizia. Hoje, incompleta pela tua ausência total te enxergo . declaro meu amor seguro  teu rosto em minhas mãos vazias. é exato que te amo. Escrevo no bronze teu verbeteContinuar lendo MÃE, ME OUVES

DUAS FORMAS DE SER

Por: Sônia Souza ÍMPAR Era um naquele instante ímpar procura seu lugar pequeno e cômodo no final do dia Pela manhã se feria no meio dos outros tantos pares E sentia na pele a dor de dividir o que deveria se completar FALTA UM Nas segundas emergia e duvidava até do que dizia(…) Na terçaContinuar lendo “DUAS FORMAS DE SER”

Vida de aconchego

Esperança de um tempo leve Sem rostos escondidos Esperança de poder abraçar sem medo  Uma vida de aconchego Olhar nos olhos e apertar as mãos  De conversar com os conhecidos Ver as crianças aglomeradas A correr e a brincar Saí por aí na correria sem preocupação Esse tempo nos faz sentir saudades Saudades de umaContinuar lendo Vida de aconchego

Enluarei

Sou fases, idas e vindas, ter e deixar ir Sou cheia de sonhos, alegrias, esperanças,  lembranças, abundância Nova de espírito, de possibilidades, de experiências Crescente de esperança,  conhecimento, fé Minguante de tudo que não me realiza, não me faz feliz Minguante, nova, crescente, cheia Não necessariamente nesta ordem Cresço,  sumo, brilho, acredito, apareço e meContinuar lendo “Enluarei”

CORAÇÃO

Eu vejo poesia nas flores da calçada, No desgastado reboco da parede expondo os tijolos em forma de coração. Na textura histórica dos asfaltos, No peso dos passos e na leveza dos sons. No toque do sol me ardendo a pele. Nos inesquecíveis pequenos detalhes. Na presença das cores e na ausência delas eu tambémContinuar lendo “CORAÇÃO”