Lembra?

“Tudo bem se não deu certo. Eu achei que nós chegamos tão perto”. Assim pensei, ao ouvir esse trecho da música https://www.youtube.com/watch?v=I4u0GcKa1Vc do Nenhum de Nós. E me pus a lembrar de nosso passado. Vieram tantos momentos: as viagens, a decoração do apartamento, as reuniões de família, os dias na praia… ah, os dias naContinuar lendo “Lembra?”

A SAPATILHA QUEBRADA (Ou um abraço no ano novo)

Acostumou-se a ser competitiva desde criança. Nas aulas de jazz que fazia ainda bem pequena, a professora sempre dava uma sapatilha de louça para a aluna que tivesse se destacado mais. Quase toda a semana, era ela quem ganhava. E sentia-se orgulhosa. Uma sensação de que seu esforço era visto, reconhecido. E enfim, era admirada,Continuar lendo “A SAPATILHA QUEBRADA (Ou um abraço no ano novo)”

EU NÃO TENHO CÓDIGO DE BARRAS

Por: Lidianne Monteiro Meu nanochip estava dando sinais de instabilidade há algumas semanas. As falhas, a princípio, não me prejudicaram muito. Uma loja que entrei e a vendedora me ofereceu artigos que eu não tinha interesse, o robô do supermercado que me trouxe comida para o passarinho que não tenho, o café que veio descafeinadoContinuar lendo “EU NÃO TENHO CÓDIGO DE BARRAS”

XEROSTOMIA

Chiado. Chiado. Rádio traçadores, Rádio traçadores. Zum. Zum. Zum.Zum. Sinal. Rádio traçadores. Entrada liberada. A mensagem era enviada por corredores estreitos sob uma luz intensa que se alternava ao refletir o rio vermelho durante o percurso.Na corrida, nenhum soldado é abandonado, eles mantêm o ritmo constante. Uma forte correnteza faz com que eles naveguem em fluxoContinuar lendo “XEROSTOMIA”

Ela – Segunda parte

… Já dentro do crepúsculo tranquilo da caverna entre o medo e uma leve sensação de bem-estar, ela seguiu contando os passos atenta às camadas de poeira e teias que se exibem sedentas por mudança e aceitação. Daqui de dentro o medo e o pavor semelham-se raquítico na procura do alimento que mantém esse lugar tãoContinuar lendo “Ela – Segunda parte”

MEU REENCONTRO COM RENATO RUSSO

Por: Elaine Resende Durante anos trabalhei apenas para o jornal e a rádio AM, subindo e descendo com a equipe de trabalho e os visitantes. Gente fina esse pessoal! Até o dia em que eu percebi uma movimentação estranha, uma gente bem jovem, muito ruidosa, inquieta. Foi a primeira vez na vida que ouvi aContinuar lendo “MEU REENCONTRO COM RENATO RUSSO”

SAUDADE

Por: Carol Pessôa Desde pequena sentia um estranho aperto no peito. Os pais a levaram a vários médicos. Também iniciou tratamento psicológico. Mas nada resolvia a estranha pontada no coração. A família comentava que ela era uma menina problemática. Sempre com notas baixas, problemas de saúde, desânimo para as brincadeiras. Não havia o que aContinuar lendo “SAUDADE”

Virando a página

Encontrou um pendrive com fotos antigas, em uma bolsa velha. Nem sabia mais que ele existia. Por um instante, hesitou. O que será que havia naquela modalidade de caixa do século 21? Tomou coragem. Abriu. Dentro, uma pasta “fotos”. Clicou. E um mar de lembranças surgiram. De repente, viajou para seu aniversário de 30 anos.Continuar lendo Virando a página

Útero de Aluguel

Hoje amanheci com vontade de entrar em um útero de aluguel. Daqueles que a gente escolhe e paga sem dar muitas explicações. Simplesmente ficar lá o tempo que achar necessário para estabilizar o caos dessa vida de altos e baixos. Ficar lá sem compromisso com nada, sem calcular, sem pensar. Respirando somente. Depois quando forContinuar lendo “Útero de Aluguel”