Virando a página

Encontrou um pendrive com fotos antigas, em uma bolsa velha. Nem sabia mais que ele existia. Por um instante, hesitou. O que será que havia naquela modalidade de caixa do século 21? Tomou coragem. Abriu. Dentro, uma pasta “fotos”. Clicou. E um mar de lembranças surgiram. De repente, viajou para seu aniversário de 30 anos.Continuar lendo Virando a página

Útero de Aluguel

Hoje amanheci com vontade de entrar em um útero de aluguel. Daqueles que a gente escolhe e paga sem dar muitas explicações. Simplesmente ficar lá o tempo que achar necessário para estabilizar o caos dessa vida de altos e baixos. Ficar lá sem compromisso com nada, sem calcular, sem pensar. Respirando somente. Depois quando forContinuar lendo “Útero de Aluguel”

ELA (pequeno conto)

Por: Alessandra Gabriel Ela era movida pela curiosidade e frequentemente caminhava pelos jardins de suas respostas. Ela sabia que estava tão perto e tão distante de descobrir os segredos das raízes mais profundas de cada dia, então  se movimentava intuitivamente em busca de algo que a fizesse sentir a verdadeira verdade. Em algum lugar deContinuar lendo “ELA (pequeno conto)”

VALE CARIOCA

Por: Elaine Resende Peguei os exames na gaveta, coloquei na sacola de pano e dei uma última olhada no espelho. Tenho orgulho de parecer uma cobra que engoliu um boi. A roupa não esconde mais a pele lustrosa e o zebrado branco, a mensagem evidente de que o dia tão esperado está próximo. Um arrepioContinuar lendo “VALE CARIOCA”

ELA DISSE SIM

Por: Lidianne Monteiro Disseram-lhe que ela deveria sossegar. Reforçavam quase diariamente que já era hora de se aposentar também dessa inquietude de querer alguma coisa que ela não sabia direito o que era. Mas que sabia que queria. Isso a impulsionava, ainda que passasse por represálias dos que teimavam em condená-la a viver uma vidaContinuar lendo “ELA DISSE SIM”

PORTAL

Por: Lidya Gois Ela adentrou em um desses portais que te fazem viajar no tempo. Quando recobrou os sentidos, reconheceu instantaneamente a familiaridade daquele lugar. Era uma espécie de quintal que abrigava um quartinho cheio de tralhas. Tinha uma modesta plantação de bananeiras e alguns pintinhos empenhados em achar algo para beliscarem. Ela ainda estavaContinuar lendo “PORTAL”

A HUMILHANTE

Mercedes foi convidada a entrar numa sala. De início era para falar de algo do dia a dia, de coisas de menor importância, mas ao adentrar naquela sala lá estava a humilhante que a tentou diminuir com muitas palavras a colocando como uma pessoa que ela não era.  Ela foi chamada de egoísta, de individualContinuar lendo “A HUMILHANTE”

CAMAS CONDENADAS

Naquela noite cheguei por volta das 3 horas da manhã e escolhi uma cama de solteiro que estava disponível entre tantas outras ocupadas. Me parece que havia uma cama de tamanho médio ao meu lado onde dormia um casal que chegou uma hora antes de mim. Aos meus pés havia um berço -em forma deContinuar lendo “CAMAS CONDENADAS”

A onda sônica

Por Elaine Resende Eu olhava incrédula para o noticiário. Seria aquele o momento da nossa extinção? O meteoro vinha em nossa direção e nos esmagaria. As pessoas estavam em suas casas junto às suas famílias acompanhando o noticiário que trazia as imagens em tempo real. Alguns grupos, no entanto, reuniram-se nas igrejas de adoração eContinuar lendo “A onda sônica”

UMA BANDA APENAS

 Procurou um médico. Procurou porque não suportava mais aquela dor no peito, uma dor estranha. Não que doesse, era dolorida, dor palpável, martelante e contínua que permanecia atada à falta de ar. Faltava-lhe o ar, uma respiração sempre entrecortada como que interrompida e que por mais que inspirasse o ar nunca era o suficiente. Pouco,Continuar lendo “UMA BANDA APENAS”