CAMAS CONDENADAS

Naquela noite cheguei por volta das 3 horas da manhã e escolhi uma cama de solteiro que estava disponível entre tantas outras ocupadas. Me parece que havia uma cama de tamanho médio ao meu lado onde dormia um casal que chegou uma hora antes de mim. Aos meus pés havia um berço -em forma deContinuar lendo “CAMAS CONDENADAS”

A onda sônica

Por Elaine Resende Eu olhava incrédula para o noticiário. Seria aquele o momento da nossa extinção? O meteoro vinha em nossa direção e nos esmagaria. As pessoas estavam em suas casas junto às suas famílias acompanhando o noticiário que trazia as imagens em tempo real. Alguns grupos, no entanto, reuniram-se nas igrejas de adoração eContinuar lendo “A onda sônica”

UMA BANDA APENAS

 Procurou um médico. Procurou porque não suportava mais aquela dor no peito, uma dor estranha. Não que doesse, era dolorida, dor palpável, martelante e contínua que permanecia atada à falta de ar. Faltava-lhe o ar, uma respiração sempre entrecortada como que interrompida e que por mais que inspirasse o ar nunca era o suficiente. Pouco,Continuar lendo “UMA BANDA APENAS”

DESPERTAR

Ela acordou, abriu os olhos e sentiu um arrepio estremecer todo o seu corpo. Parecia que todo o seu ser estava sendo aniquilado. Um suor frio percorria seus pelos. Fechou os olhos bruscamente e desejou nunca ter acordado. Sentiu um frio no estômago. Ficou perdida em vários pensamentos acelerados e desconexos. Buscou um sentimento oceânicoContinuar lendo “DESPERTAR”

CORPO

1- JOELHO Abro os olhos e vejo o teto bege de plástico quase encostando no meu nariz. Talvez não esteja tão próximo assim como parece. Mas a clausura das paredes laterais que sobem em curva sobre minha cabeça reforça a sensação de confinamento. Sinto-me como naqueles filmes de aventura em que a mocinha está emContinuar lendo “CORPO”

LADY IN RED

Por: Elaine Resende O DJ anunciou a hora do intervalo e colocou uma música antiga, que ele reconheceu imediatamente de um dos discos da sua mãe. Era uma música muito romântica, que falava sobre um homem que admirava uma mulher com a qual dançava, a mais bela de todas, cobiçada pelos homens no salão. ElaContinuar lendo “LADY IN RED”

A CARTA

Oi…    Como tem sido sua vida? Me conta, mesmo que não ache importante.     Mandei arrumar o carro. Ficou bom, você tinha toda razão, estava precisando. Não entendo porquê relutei tanto.    Ainda não consegui ler os livros que me indicou, abro-os, cheiro-os e percebo que não querem ser lidos, só embalados no meuContinuar lendo “A CARTA”

CIGANA

Por: Katja Mota Tudo começou quando não encontrou o sapato habitual no meio do caminho ao chegar em casa. Estranhou, mas não deu tanta importância, enfim, estava cansado, talvez um pouco entorpecido pelo álcool do happy-hour, o fato foi logo esquecido junto com o relaxamento de um banho quente.           Os dias passaram normalmente, seContinuar lendo “CIGANA”

PALETA DE CORES

Por: Lidianne Monteiro Nesse cenário onírico, ela fazia parte de cada aventura e se sentia tão pertencente a aqueles lugares como os demais que ali transitavam com familiaridade. Acordou no seu quarto preto e branco e nele passou todo o dia. Já tinha se acostumado a falta de cor. No começo foi estranho e tomouContinuar lendo “PALETA DE CORES”