Uma mãe por todas. Todas por uma mãe

Deixei minha caçula em casa com o compromisso de lavar a louça gigante que estava sobre a pia desde muito cedo. Era a tarefa dela, meio indigesta, eu sei, mas ela parecia resignada. Deitada no sofá, ela tentava reunir coragem para enfrentar a pilha de pratos e travessas enquanto a cachorrinha a puxava pelo vestidoContinuar lendo “Uma mãe por todas. Todas por uma mãe”

Uma lista para chamar de minha

Sou a mulher das listas. Tenho lista para tudo: a lista de ideias para textos, a lista de livros para ler, a lista dos livros que emprestei e para quem emprestei, dos filmes para assistir, dos lugares para conhecer… Essas listas não me cobram uma ação imediata, ficam ali à mão esperando o prazeroso momentoContinuar lendo “Uma lista para chamar de minha”

A FORTALEZA DE PLÁSTICO

O domingo passou como um relâmpago. Lá fora, a chuva intensa dissolvia tudo ao redor, carregando a água caudalosa que corria apressadamente pelo asfalto. As luzes dos postes foram acesas e me fizeram despertar para o fim do dia que já batia a nossa porta. O fluxo luminoso emanado pelas lâmpadas permitia enxergar as finasContinuar lendo “A FORTALEZA DE PLÁSTICO”

PRINCESA DO MEU LUGAR*

Chegou na cidade na hora de mais calor. Estava tão feliz arrastando sua mala colorida pela rua de pedras que nem se importou com o suor que escorria em bicas e encharcava o vestido. As rodinhas da mala trepidavam pelas pedras do calçamento e faziam tanto barulho que ela mal conseguia ouvir a conversa daContinuar lendo “PRINCESA DO MEU LUGAR*”

EU NÃO TENHO CÓDIGO DE BARRAS

Por: Lidianne Monteiro Meu nanochip estava dando sinais de instabilidade há algumas semanas. As falhas, a princípio, não me prejudicaram muito. Uma loja que entrei e a vendedora me ofereceu artigos que eu não tinha interesse, o robô do supermercado que me trouxe comida para o passarinho que não tenho, o café que veio descafeinadoContinuar lendo “EU NÃO TENHO CÓDIGO DE BARRAS”

FÊNIX

Por: Lidianne Monteiro Sou mil mulheres em várias vidas Em cada fase que parecia infinita, vi desmoronar sem aviso o muro das certezas Cada etapa se foi sem que se percebesse que jazia o tempo de dizer adeus De repente se foi Nem notei Nem me despedi E, sem aviso prévio nem lamento, uma vidaContinuar lendo “FÊNIX”

DIARIAMENTE

Por: Lidianne Monteiro Tenho que lavar o cabelo. Agora estou sem paciência. Será que dava para aguentar sem lavar até amanhã? Olho no espelho. Reparo na cor dos fios. Ora gosto. Ora duvido se a última cor ficou boa mesmo. Mas eu ia apenas decidir se estava sujo. Foco. Lembro que amanhã terei um compromissoContinuar lendo “DIARIAMENTE”

SOB(RE) O GUARDA-CHUVA

Por: Lidianne Monteiro Nunca gostei de guarda-chuva. Inicialmente, por questões práticas. Sempre o vi como um trambolho que passava mais tempo fechado, sendo levado de um lado para o outro, do que efetivamente sendo usado sobre nossas cabeças. E quando chegava a ser aberto para ser usado alguma vez, precisava depois ser carregado encharcado porContinuar lendo “SOB(RE) O GUARDA-CHUVA”

ELA DISSE SIM

Por: Lidianne Monteiro Disseram-lhe que ela deveria sossegar. Reforçavam quase diariamente que já era hora de se aposentar também dessa inquietude de querer alguma coisa que ela não sabia direito o que era. Mas que sabia que queria. Isso a impulsionava, ainda que passasse por represálias dos que teimavam em condená-la a viver uma vidaContinuar lendo “ELA DISSE SIM”

CORPO

Por: Lidianne Monteiro 1- JOELHO Abro os olhos e vejo o teto bege de plástico quase encostando no meu nariz. Talvez não esteja tão próximo assim como parece. Mas a clausura das paredes laterais que sobem em curva sobre minha cabeça reforça a sensação de confinamento. Sinto-me como naqueles filmes de aventura em que aContinuar lendo “CORPO”