RAIZ DE BILRO

Canto da jandaia, Alencar te definiu. Ara ou Arara, és ninho e periquito. num assobio, Ceará. de anônimos e imortais. Tua identidade múltipla, jangadeiro jangada etérea em Patativa abrigas Caatinga, em ti ouve-se ao longe os sons Tupí e Jê negociando a Tatajuba a Oiticica, o Algodão Bravo. Teu povo sabe das armadilhas da seca.Continuar lendo “RAIZ DE BILRO”

O SOM DAS CONFISSÕES

Vento, em tua matéria dela o perfume. da minha mãe, lembras? quebras as esquinas. gelado, caliça. minhas narinas secas seguem tua preguiça, tua parte cerce ao chão. entras em casas de portas fechadas arrepias as águas calmas dos regatos fazes gracejo nas flores até pedras te obedecem. O vento tem pernas grandes um sonzinho deContinuar lendo “O SOM DAS CONFISSÕES”

ROSA, NA CABECEIRA

Por: Jovina GBenigno Nele um amarelo marrom, herança do tempo. pingos vermelhos feito água de sangue aspergida sobre o corpo. ao tocá-lo, aspirei o olor molhado de mofo, o cheiro do abandono. Cobria-lhe um frio úmido de matéria sem vida, sem o calor de existir, como se nele não mais pessoas e suas histórias comoContinuar lendo “ROSA, NA CABECEIRA”

AMOR EM VÃOS

Por: Jovina GBenigno Este amor que inibido, nem alvo foi do cupido, pois já vinha concebido num peito distraído. Ignorado ferido, Solitário, desvalido, sem nenhuma esperança, tão adulto tão criança, vai e vem não se cansa. Revela-se em alternância, e mesmo sem confiança, de ser mesmo um dia Amor, é flor de mel revelado, éContinuar lendo “AMOR EM VÃOS”

RISCOS ANÔNIMOS

Por: Jovina GBenigno há espaço em meu sobrado volta tirei a chave da porta dos lençóis lavei o cheiro do outro foram poucos nada deixaram além de restos no banheiro sem tons carmins sem folguedos e lamentos do fim. Aquela não mais te espera fúria fera saciaram penúrias. fartei tertúlias. não estranhe as novidades deContinuar lendo “RISCOS ANÔNIMOS”

O SABIÁ E O MISTÉRIO

Por: Jovina Gbenigno Nos dias de manhãs sem nuvensEla abria a janela do quarto insone.Nele, o cheiro das bonecas da infânciaMisturava-se com o perfume dasFlores, que agora ela roubava de jardinsIncautos, e as deitava sobre a cama,Areia e beleza sobre os lençóis.Ela olhava aquele mistério, vida e eternidade.Depois víamos as flores em jarros transparentesEnfeitando aContinuar lendo “O SABIÁ E O MISTÉRIO”