Vida de aconchego

Esperança de um tempo leve Sem rostos escondidos Esperança de poder abraçar sem medo  Uma vida de aconchego Olhar nos olhos e apertar as mãos  De conversar com os conhecidos Ver as crianças aglomeradas A correr e a brincar Saí por aí na correria sem preocupação Esse tempo nos faz sentir saudades Saudades de umaContinuar lendo Vida de aconchego

PALAVRAS ESPALHADAS

Quem sabe elas encontrem um coração distraído Por: Lidya Gois Deixa eu escrever, espalhar minhas palavras por aí Quem sabe elas encontrem um coração distraído Arranquem algum pequeno sorriso Sejam a companhia de alguém na solidão Tragam de volta um lampejo de esperança Ou quem sabe elas viajem e cheguem distante Bem no instante emContinuar lendo “PALAVRAS ESPALHADAS”

Por: Angelica Estou presa entre quatro paredes. Há um pouco de exagero nesta afirmação porque a casa onde moro é grande e tem muitas paredes. Sinto-me terrivelmente só e busco nos quadros de fotografias que enfeitam a minha sala, sentir de novo a alegria dos encontros que não posso ter. Minha mente é capaz deContinuar lendo “FÉ”

DOIS POEMAS

Por: Ivone Santana ABRAÇOS Grande gesto que pensamos com prioridade no dia a dia para agradar, parabenizar, acolher ou até chorar Para um dia de festa, de comemorar Muitos abraços alguém irá ganhar Para um dia de luto, de choro só de abraços para toda a dor passar Abraços para mostrar nossa alegria Abraços paraContinuar lendo “DOIS POEMAS”

ESPERANÇA

Por: Lidianne Monteiro Dormi até acordar, sem despertador, sem hora marcada. Só que não programar o despertador é só uma farsa que faço comigo mesma. Porque, na prática, deixo a janela e a cortina abertas para a luz do sol invadir o quarto e me despertar. Banho-me com essa luz, energizando-me e completando o trabalhoContinuar lendo “ESPERANÇA”