Dualismo

Acordei ainda atordoada. Minha cabeça pulsava deixando meu rosto contraído de dor. Continuar ali deitada me traria mais desconforto. Levantei meio tonta. Caminhei até à cozinha e tomei um gole d’água bem devagar, tentando alinhar meus pensamentos. Aconteceu de novo. Qual será a razão disso tudo? Porque esses sonhos perturbadores insistem em me atormentar? TalContinuar lendo “Dualismo”

Revelação

Era manhã, mas não de um dia comum. Aquele era especial. Arrumei tudo com a ajuda dos meus queridos familiares e amigos. Comprei comidas variadas. Salgadinhos, confit de tomate cereja, pãezinhos, carne de caranguejo (que adoro) e outras tortas. Encomendei também doces e bolinhos para compor o banquete. A decoração estava linda. Ficou do jeitoContinuar lendo “Revelação”

Cortina de fumaça

Ela chega silenciosa, sorrateira como uma serpente que planeja, meticulosamente, o bote perfeito em sua presa desavisada. Não deixa claro o motivo de sua vinda, mas surge de repente. E assim, nessa fugacidade, o discernimento completamente desprevenido não consegue encontrar defesas. No início, aparece disfarçada de um pequeno sopro no estômago e, antes que seContinuar lendo Cortina de fumaça

CALMARIA

Por: Lidya Gois Ali parada, contemplando a infinitude, o silêncio clama por atenção, mas o burburinho dos pensamentos não me permite atender seu chamado. Desço ao mar e deixo o movimento da água espantar o barulho. Por um instante consigo ouvir a calmaria e meu corpo dança na cadência das ondas. Sinto cheiros conhecidos queContinuar lendo “CALMARIA”

ESTAÇÕES

Por: Lidya Gois No inverno perco a roupagem Fico seca, aparento fraqueza e solidão Olho o entorno, as outras estão vaidosamente exuberantes e frondosas A comparação golpeia meu sossego e me lança flechas venenosas Ainda cingida de angústia, decido ouvir o Vento suave sussurrando O que Ele diz me aduba com um novo ânimo AprofundoContinuar lendo “ESTAÇÕES”

CAFÉ COM AMIGAS

Por: Lidya Gois Bem cedo uma amiga sugeriu um encontro. Não demorou muito para o burburinho começar. Várias mensagens palpitando na tela. Quando será? Onde? Que horas? Posso amanhã, eu também. Desculpa, meninas, amanhã irei com a Mimi à casa de uma amiguinha. E se fosse almoço, você poderia? Puxa! Se for almoço eu éContinuar lendo “CAFÉ COM AMIGAS”

PORTAL

Por: Lidya Gois Ela adentrou em um desses portais que te fazem viajar no tempo. Quando recobrou os sentidos, reconheceu instantaneamente a familiaridade daquele lugar. Era uma espécie de quintal que abrigava um quartinho cheio de tralhas. Tinha uma modesta plantação de bananeiras e alguns pintinhos empenhados em achar algo para beliscarem. Ela ainda estavaContinuar lendo “PORTAL”

CEIA DA LUZ

Por: Lidya Gois O universo emudece no turbilhão de emoções desconexas. E nesse angustiante silêncio, a palidez da alma é revelada pela face. A formosura aviltada, no entanto, pode retornar. Volta teus olhos à janela e sente o aceno do consolo. Abre a porta, convida a Luz para entrar e come do alimento que elaContinuar lendo “CEIA DA LUZ”

PALAVRAS ESPALHADAS

Quem sabe elas encontrem um coração distraído Por: Lidya Gois Deixa eu escrever, espalhar minhas palavras por aí Quem sabe elas encontrem um coração distraído Arranquem algum pequeno sorriso Sejam a companhia de alguém na solidão Tragam de volta um lampejo de esperança Ou quem sabe elas viajem e cheguem distante Bem no instante emContinuar lendo “PALAVRAS ESPALHADAS”