IN MEMORIAN

O dia chora contra meu peitoLágrimas frias de partida.Não das palavras,VivasAgarradas ao muro feito HeraFeito EvaSobem esgueiras e transcendentes.Agarram o tempo do poema que prometiE não cumpriNão cumpri porque eram suas as palavrasDe seus segredosQue me pediu duras de vidaPara trazer de voltaOs passarinhosVerdesDa sua juventude. (In memorian Isabel Pakes) Crédito da Imagem: Foto por cottonbroContinuar lendo “IN MEMORIAN”

FURTIVO

Por: Katja Mota De seus dedos teias Invisíveis e sensíveis Me pegam pelas mãos, Pés atam-me pelas pernas CorposDistante-dentroBuscam (se furtam) o cheiro de pertencer Despertar da noite-adeus O meu passo sólido(Ébrio)PercorrePerseguea criatura enluaradaMinguando certezas. Crédito da Imagem: Foto por murat esibatir em Pexels.com “Os textos representam a visão das respectivas autoras e não expressam aContinuar lendo “FURTIVO”

Memento

Memento. Gosto de te esquecer Gosto de te esquecer todos os dias Como um processo degenerativo, te lembrar. Para então, Ter motivo de esquecer. Gosto de verificar as portas e as janelas  Me certificar continuam fechadas. Te olhar rindo nos dentes de domingos E desfolhar as cartas de mínimas Escritas Ditas Lidas Guardadas Furtivas DeContinuar lendo “Memento”

MULHER

Por favor avisa lá nêgo. Avisa que sou filha do estupro da índia, Do trabalho escravo. Da imigração japonesa, Que sou neta de Sinhá. Avisa que sou branca, negra, azul, vermelha e amarela. Sou filha da terra também. Que brotei do ventre de terras Brasili’s Minha cultura é osmótica… Minha alvura é zica genética. AvisaContinuar lendo “MULHER”

Errante

Um dia torto. Cancelam-se as alegrias Anulam-se a saliva nos cantos Cala a língua minguante Entre incisivos. Apaga esses calores Limpando os vestígios Dos poros dilatados Transpirando as cores desconhecidas As texturas escondidas Dos suspiros sibilantes…? Cale-os Crédito da imagem: PEXELS “Os textos representam a visão dos respectivos autores e não expressam a opinião do SabáticoContinuar lendo “Errante”

UMA BANDA APENAS

 Procurou um médico. Procurou porque não suportava mais aquela dor no peito, uma dor estranha. Não que doesse, era dolorida, dor palpável, martelante e contínua que permanecia atada à falta de ar. Faltava-lhe o ar, uma respiração sempre entrecortada como que interrompida e que por mais que inspirasse o ar nunca era o suficiente. Pouco,Continuar lendo “UMA BANDA APENAS”

A CARTA

Oi…    Como tem sido sua vida? Me conta, mesmo que não ache importante.     Mandei arrumar o carro. Ficou bom, você tinha toda razão, estava precisando. Não entendo porquê relutei tanto.    Ainda não consegui ler os livros que me indicou, abro-os, cheiro-os e percebo que não querem ser lidos, só embalados no meuContinuar lendo “A CARTA”

CIGANA

Por: Katja Mota Tudo começou quando não encontrou o sapato habitual no meio do caminho ao chegar em casa. Estranhou, mas não deu tanta importância, enfim, estava cansado, talvez um pouco entorpecido pelo álcool do happy-hour, o fato foi logo esquecido junto com o relaxamento de um banho quente.           Os dias passaram normalmente, seContinuar lendo “CIGANA”