ENTREGA

Amava sem medida

e encontrava nos olhos cinzas

O descaminho que ardia o coração

Confiava no inconfiável

Que os dias eternos tornariam simples aquele amor atravessado (…)

E um dia olhou o mar

E entregou aquilo tudo

Não podia se medir nem se encontrar

Nos rastros na areia a promessa de um passado

Te amarei para sempre como se tivesse, sempre, te amado


Crédito da imagem:  Foto por Porapak Apichodilok em Pexels.com

Os textos representam a visão das respectivas autoras e não expressam a opinião do Sabático Literário.”

Um comentário em “ENTREGA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: