A SAPATILHA QUEBRADA (Ou um abraço no ano novo)

Acostumou-se a ser competitiva desde criança. Nas aulas de jazz que fazia ainda bem pequena, a professora sempre dava uma sapatilha de louça para a aluna que tivesse se destacado mais. Quase toda a semana, era ela quem ganhava. E sentia-se orgulhosa. Uma sensação de que seu esforço era visto, reconhecido. E enfim, era admirada, amada, invejada.

Aquilo se tornou uma espécie de vício.

Já eram 3 anos de aulas. O ciclo básico acabara. Mas ela quis continuar. E foi ficando, ficando…

E continuava a ganhar a sapatilha, quase sempre. Até que um dia, em um pequeno vacilo, uma distração dentro de casa, ela a quebrou.

Que

brou

em

pe-da-ci-nhos

E aquilo a abalou como se fosse a perda de um ente querido. Sua mãe a consolava, e dizia: “filha, foi só uma sapatilha”. A professora arruma outra.

Mas para ela isso não era só um objeto. Era como fosse seu coração.

Par

tido

A mãe não conseguia alcançar tamanha compreensão. Mas sentiu que havia algo errado. Resolveu tirar a menina das aulas. Aquilo não estava mais fazendo bem. Talvez ela precisasse ver outras coisas. Percebia que a vida de Alice girava em torno daquilo: esperar pela aula, dançar até a exaustão, ganhar a sapatilha, e sentir-se completa. Esperar pela aula, dançar até a exaustão, ganhar a sapatilha, e sentir-se completa.  Esperar pela aula, dançar até a exaustão, ganhar a sapatilha, e sentir-se…

Completa?

(será que isso era “realmente real”)

A notícia da saída das aulas não foi fácil. Mas Alice, resiliente e forte como era, uma verdadeira vencedora, enfrentou. E venceu.

Aprendeu inglês, natação, patins, e até capoeira!

Mas carregou aquilo por toda a sua vida. Aquela busca obsessiva pela sapatilha. E o arrependimento por tê-la quebrada. Uma estranha sensação de ser imperfeita, incapaz de cuidar direito de sua própria sapatilha, de suas próprias vitórias. E assim foi por toda sua vida. Sempre que alcançava algo que parecia bom, ela temia. E pensava: será que eu vou dar conta? Ou acabo quebrando minha alegria em pedacinhos de novo?

Era seu inconsciente falando. Mas ela não era capaz de compreender. E de o fato, o que sempre terminava fazendo, era autossabotando suas próprias vitórias, e sim, por atitudes dela mesma. Tudo se tornava no fim uma grande sapatilha quebrada.

Foi assim com seu casamento, sua promoção na agência de publicidade, seu mestrado que ficou pela me/tade.

E hoje, depois de um ano de terapia, Alice já consegue se perceber. E escreve até sobre si mesma em terceira pessoa. Compreende enfim, que apesar dos dissabores da vida, teve mesmo uma parcela de responsabilidade em seus fracassos. E que tudo começou em uma busca insana pela perfeição. Que ela aprendeu, duramente, depois de tanto tempo e tanta reflexão, que não existe.

“Então foi isso? Trinta e cinco anos para descobrir que busquei algo que não existe?”

Pega então sua agenda de anotações para o ano seguinte, 2022. Rasga a página das metas, dos boletos, dos planejamentos, das promessas. E escreve: ser feliz.

Sim! Agora ela está pronta. Que venha o novo ano!

(((E que EU, Alice, possa dançar errado, nadar de costas, cair de patins de bunda e até dar um soco de boxe na capoeira. Porque sim, eu estou puta, com minha vida, minhas escolhas, meu país, e até que uma porrada cairia bem. Um soco na obsessão, na tristeza, na revolta. E um abraço no recomeço!)))


Crédito da Imagem: Foto por Anna Tis em Pexels.com

Os textos representam a visão das respectivas autoras e não expressam a opinião do Sabático Literário.”

Publicado por Carol Pessôa

Jornalista, escritora e ex-atriz. Autora do livro À Beira da Vida, a venda nos sites da Amazon, Americanas, Magazine Luiza e Submarino.

2 comentários em “A SAPATILHA QUEBRADA (Ou um abraço no ano novo)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: