CAFETAL

Por: Daniela Echeverri

Nós quatro saímos da fazenda caminhando direto para o riacho, no riacho cada um procurava um lugar para submergir nas águas cristalinas e eu me concentrava em observar as correntes e brincar com as pedras.

Após a pequena passagem pelo riacho continuávamos para a frente.

O objetivo sempre era subir uma colina.

Ao longo do caminho, minha mãe e meu pai estavam sempre contando histórias e ensinando coisas novas.

Falavam de quando eram mais jovens e subiam as montanhas carregando os ingredientes para fazer um sancocho1 no pico da colina. Naquela época eles iam com todas as tias e talvez com  os avós.

As tias eram um matriarcado. Manuela, Lucy, Teresa, Nina, Leonor e minha avó Lucrencia, e   apenas dois homens: Gustavo e Neto. Neto foi morto pela violência.

As tias eram todas viúvas, separadas ou solteiras; Manuela, a mais velha, era alta e magra, tinha a presença de uma madre superiora. Ela era viúva e tinha várias filhas.

Quando ela fez oitenta anos, fizeram uma grande festa em Cafetal, foi a última festa que houve com as tias. Todas as tias estavam lá com seus filhos e netos, a fazenda estava lotada.

De manhã, os que estivessem acordando se reuniam para o café da manhã. Olivia – a empregada da fazenda – espremia laranjas para o suco, e um cheiro doce e cítrico espalhava-se pela cozinha.

No café da manhã tinha sempre torradas, arepas2, ovos mexidos, queijo fresco e chocolate.

Enquanto isso, Teresa cortava a cebola, o coentro, o tomate e o pimentão para fazer a pimenta passarinho que tinha colhido no quintal.

Enquanto alguns se levantavam para tomar café, outros iam dormir. Passaram a noite bebendo, cantando música de carrilera, dançando e contando histórias.

As filhas de Nina eram ótimas cantando música carrilera3:

“… Si no me querés te corto la cara
Con una cuchilla de esas de afeitar
El día de la boda te doy puñaladas
Te arranco el ombligo y mato a tu mamá…”

Vicente Bueno, filho único de Neto era quem contava as histórias da família, afinal, ele era o único que tinha o sobrenome Bueno na testa, seu destino era manter viva a história da família.

Depois do desjejum as tias ficavam contando histórias na mesa e minha mãe nos levava para tomar banho e nos arrumar.

1Sancocho: Panela composta de carne, mandioca, banana e outros ingredientes, e que se come no almoço.

2Arepa: Uma espécie de pão circular, feito com milho amolecido em fogo baixo e depois moído, ou com fubá pré-cozido, que é cozido na grelha.

3Música carilera: música popular colombiana.

Fotos desse post: Daniela Echeverri

Publicado por Daniela Echeverri Fierro

Daniela Echeverri nasceu na Colômbia em 1987, onde se formou como advogada. Mora no Brasil desde 2013 e trabalha com negócios internacionais no interior de São Paulo. Apaixonada pela fotografia, viagens, histórias e tudo que desperte a criatividade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: