Gotas

Olhei para fora e as gotas da chuva escorriam pelo vidro da janela na mesma sintonia das minhas lágrimas. Por um instante, me perdi nessa visão e esqueci um pouco da dor.

O dia estava cinzento e melancólico. A música ao fundo também inspirava uma atmosfera tristonha.

O trinado lamentoso de um pássaro me tirou do devaneio. Olhei lentamente para cima e o vi cortando o ar com seu voo planado. Ele parecia solitário. Talvez estivesse bailando alguma melodia saudosa. Uma fisgada forte me trouxe de volta a minha agonia.

Catei um pedaço de papel qualquer e com um lápis recém-comprado, anotei esse recorte do tempo. Contei sobre as gotas no vidro e sobre o pássaro viajante.

Escrevi porque senti um desejo frívolo de eternizar aquele momento. Escrever geralmente me ajuda a aliviar anseios e dores. Trata, cuida e algumas vezes me consola.

Guardei com carinho aquela anotação e por um tempo nem lembrei mais dela. Esses dias, arrumando umas gavetas da mesa de cabeceira, encontrei o pequeno texto e pude reviver, agora de forma aliviada, os sentimentos de outrora.


Crédito da imagem:  Foto por Markus Spiske em Pexels.com

Os textos representam a visão das respectivas autoras e não expressam a opinião do Sabático Literário.”

3 comentários em “Gotas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: