Escrita criativa

Dia desses, recebi de uma amiga artetarapeuta, uma proposta de atividade que me encantou: escrita criativa.

Ela apresentava diversas fotos e propunha que, num lugar tranquilo, com uma música relaxante, escrevêssemos o que viesse a nossa cabeça. Assisti ao vídeo rapidamente, descartei a possibilidade de realizar aquela atividade em meio a tantos afazeres e segui meu dia.

Curioso foi, que uma das imagens habitou minha mente a tarde toda – uma foto com margaridas, ou algumas flores muito parecidas com margaridas.

À noitinha, depois que as crianças aquietaram um pouco, me dispus a realizar aquele exercício que, logo vi, levou-me a pensar em meus alunos e nos estudos de psicanálise tão recentes, desafiadores e encantadores para mim. Segue o que produzi e, tenho certeza, será modificado e acrescido a cada nova leitura. (Tentei não alterar a primeira versão.)

Visceral que nasci e professora que sou, peguei um caderno novo só para realizar a proposta e, tenho certeza, será a primeira de muitas. Obrigada, Simony!

“Flores…nunca fui boa em nomeá-las. As únicas que não me causam dúvidas são as rosas e as tulipas, de todas as outras, não tenho certeza.

Margaridas? Perece que sim. Minhas favoritas quando eu era criança: são fáceis de desenhar!

Não saber os nomes não me constrange. O que importa é o sentimento despertado. Isso me remete aos tabacos e vinhos que tanto aprecio. Não ligo para notas técnicas, preço, status, mas se eles me proporcionam prazer e relaxamento. Se são gostosos ou não.

Em relação às flores, quer um exemplo? Tulipas me lembram frio, inverno, minha estação favorita; consequentemente, amo tulipas. Rosas me irritam! Não sou romântica.

Margaridas não são mais minhas flores favoritas, costumo confundi-las com crisântemos que, pra mim, tem cheiro de morte; um cheiro impregnado em minha alma – lembrança de quando perdi meu pai.

Falei de sensações até aqui.

Outro fato me chama a atenção: cada flor tem sua beleza. Umas brancas, outras menos; pétalas perfeitas, outras nem tanto; flores robustas, outras mirradinhas. No conjunto, é a singularidade que compõe o todo e permite à foto transmitir seu encanto.

Transponha para a vida, para o humano, para a alma”.

Não precisamos ser perfeitos, mas enxergar em nossas imperfeições a boniteza das lições aprendidas e das que virão.

Publicado por claudianagau

Filha, mãe, professora, psicanalista em formação. Apaixonada pela vida, pelos amanheceres, pela lua, por livros, café, charuto e cachimbo. De riso fácil e amiga sincera. Direta até demais. Amante das histórias de mulheres e sobre mulheres e tudo que fale da mulher selvagem, da ancestralidade, do inconsciente coletivo.

3 comentários em “Escrita criativa

  1. Uma flor e tantas sensações… linda a associação com o seu pai. E se perfeito, como dizem, é o que está feito em sua totalidade, realmente somos todos perfeitos, cada qual com suas singularidades. Parabéns pela reflexão!

    Curtir

  2. Desafio aceito e temos esse texto cheio de emoções. Me fez lembrar que por um jeito da vida sempre chamei as flores, mesmo que tão distintas, de flor. Talvez para dar a todas o merecido reconhecimento da sua beleza singular

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: