A calcinha revolucionária

Toda revolução tem início numa ação. Vitória, menina de dez anos  frequentava uma colônia de férias durante o recesso escolar, e carregava por toda parte uma mochila.

Nela havia tudo o necessário para passar o dia em um clube. Entre outras coisas, uma calcinha. Era uma peça aparentemente vulgar, digo, comum. Grande, de bolinhas, mas furada. Um aspecto surpreendente de tal peça e que escapava aos olhos dos demais, inclusive de Vitória, é que aquela, na verdade, era uma calcinha inconformada.

Talvez com a sua condição de estar sempre na escuridão,  sem poder observar o mundo lá fora. Havia mais do que era apresentado à ela pelos “amos da caverna”, como diria Platão?

Então, a calcinha decidiu sair e ver além. Vitória amarrava os cadarços, quando um dos supervisores apontou para baixo e disse: – Ei! Olha aí as coisas caindo para fora da mochila. Vitória, essa calcinha é sua?

A menina arregalou os olhos, e assentiu se transformando no exemplar de pimentão vermelho mais pigmentado da história. “Céus.. alguém viu minha calcinha furada…” Pensou vencida.  E a peça foi parar dentro da bolsa novamente. Vitória mal sabia que isso era o prelúdio de algo maior. A calcinha relatou o que viu para as outras vestimentas e por elas foi considerada louca.

Mas incomodada, não desistiria. Na volta para casa, já dentro do ônibus, eis que Vitória ouve o grito da boca de um moleque qualquer: – Ah lá uma calcinha furada!- E aquelas palavras ecoaram no seu cérebro centenas de vezes. A verdade  revirou seu interior.  Sabia mesmo sem olhar: era a tal calcinha com certeza.  O mundo não seria mais o mesmo para Vitória, nem para a peça íntima. A garota ficou sem ar, começou a adquirir um tom cinzento e um aspecto acolchoado que a plasmava ao assento numa demonstração de mimetismo camaleônico, traço evolutivo adquirido por ela em tão pouco tempo que surpreenderia até mesmo Darwin.

Como desgraça pouca é bobagem, dizem, a calcinha inconformada foi jogada de um lado para o outro pelas crianças em uma zoeira infernal, tão característica da selvageria infantil desses seres humanos pequenos sem supervisão. O momento mais longo da existência de Vitória, e da calcinha até então. Sabe-se que os revolucionários, várias vezes são mal compreendidos por muitos. Mesmo consciente, a calcinha inconformada jamais desistira de tentar.

Calcinha de fibra.

Quando as crianças se cansaram, foi parar no chão e recolhida por Vitória em momento oportuno. Considerada perigosa, foi  condenada às gavetas, mas seu exemplo de atitude e coragem resiste por meio da sua história contada, que nos serve de inspiração até os dias atuais.

2 comentários em “A calcinha revolucionária

  1. Oi, Camila, parabéns! Aos 19 anos fui morar em Juazeiro do Norte, tenho até um poema no meu livro Cruviana dedicado à minha cidade. Não tive dinheiro para comprar calcinhas novas, levei as minhas, furadas. A mala, de papelão. Um dia as meninas ricas do pensionato pegaram uma dessas calcinhas , colocaram-na num cabo de vassoura e por muito tempo fui motivo de chacota para muita gente. Seu texto me levou a esse tempo de minha vida. Com ele vi o verdadeiro sentido daquele evento pra mim tão traumático, muito obrigada por ressignifica-lo. . Parabéns! Um beijo, minha querida.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: