FINAL FELIZ



Quando eu ainda era criança ouvia muitas histórias infantis. Mesmo que durante toda a narrativa houvesse o relato de sofrimento ou dificuldades no final sempre acabava tudo bem. Com certeza o príncipe se casava com a mocinha mesmo que ela fosse a gata borralheira.


Toda história terminava muito bem. Os malfeitores eram castigados e os bons recompensados. No entanto o que havia de mais importante era o casamento dos protagonistas, que eram “FELIZES PARA SEMPRE! ”


Cresci ouvindo esses relatos e percebia que não era bem assim. Via casais que se amavam tanto e que viviam uma relação infeliz e cheia de violência.

Percebia, às vezes, ela se queixar para as vizinhas. Outras vezes, ouvia uma voz de homem dar um grito alto com sua mulher e além de humilhá-la fazia com que ela se sentisse envergonhada diante das outras pessoas, como se fosse a culpada por ele ficar nervoso. Ele um pobre pai de família mal compreendido pela própria esposa.


Os anos se passaram, deixei de ouvir histórias de Cinderelas e passei a prestar mais atenção nos relacionamentos de casados e namorados. Percebi que os jovens se sentindo preparados começaram a ter pressa para construir suas vidas de adultos, seus relacionamentos amorosos e muitas vezes não se davam conta de toda a responsabilidade de uma vida a dois.


A descoberta do amor trazia uma certeza de se ter encontrado uma paixão para o resto da vida e que seriam felizes para sempre. Aquela paixão muitas vezes virava um grande pesadelo.


A descoberta do amor não correspondido ou ainda a falta do amor que pensava existir em seu peito por aquela pessoa, levava a um grande sofrimento. A separação do casal, o reconhecimento da escolha errada, a desilusão amorosa levava a uma grande frustação e culpa.


Durante algum tempo este reconhecimento do erro desmotivava o casal que deixava de tentar se ajustar, e passava a viver insatisfeito e desanimado, transformando o lar doce lar em uma prisão.


O divórcio trouxe a esperança e o direito a uma nova união civil para quem assim desejasse. Foi um alívio para muitos filhos que deixaram de conviver com a guerra entre seus pais. A separação trouxe a oportunidade de acerto para um novo casamento e para as crianças uma nova chance de serem amados pelos casais agora formados por seu pai e madrasta e mãe e padrasto.


Sabe-se agora, que final feliz não é apenas aquele das histórias de príncipes e princesas, mas sim de mulheres e homens que reconhecendo a escolha não muito certa, assumem e aceitam uma separação e vão em busca de uma vida equilibrada e feliz, onde não há lugar para violência. Agora sim, é o verdadeiro FINAL FELIZ da história, onde há respeito e amor.

Crédito da Imagem: Pexels.com

Os textos representam a visão das respectivas autoras e não expressam a opinião do Sabático Literário.”

2 comentários em “FINAL FELIZ

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: